Personalidades do Pátio de São Pedro

Quem vai ser eliminado hoje, as fichas estão na mesa, corra, mate, morra, ganhe dinheiro e rugas, mas não esqueça do Iphone.
Estamos a cada dia mais insensível e com isso deixamos de ouvir as pessoas, só temos olhos e ouvidos para o barulho do ônibus, do automóvel , do caixa eletrônico , o outro se tornou um competidor , temos que vencê-lo, destruí-lo e eliminá-lo.
Não sou diferente de você e de quem crítico, sou também um canalha, como diria Albino Forjaz a quem dedico um texto neste blog intitulado “Palavras Cínicas”, e feito da mesma matéria arrogante e permissível ao mal capitalista, o vulgo metal, mas com muito sacrifício e num exercício diário adestrei o olhar, angulei o olhar a porrada, no cabresto e hoje consigo não só olhar e ouvir os ruídos da vida moderna mas também o rio, o vento e sentir suas presenças, bem como ouvir a história das pessoas nesse cenário de dores e alegrias que é o Centro do Recife.
Hoje com vocês mais uma dessas personagens urbanas.
Numa ensolarada tarde enfeitada pelo casario que cerca o Pátio de São Pedro e por acrobáticos voos de pombos recortando o invisível espaço, direciono a lente da minha câmara para o depoimento de Oswaldo Araújo.
Possuidor de uma multiplicidade de facetas, entre elas, a de poeta, compositor de frevos, marchas, maracatus, samba enredo, contador de causos, é dele, inclusive a música que já fez Pernambuco inteiro cantar num dado carnaval: A picada do uruçu,
Quem não se recorda… a picada do uruçu doi até no olho do boi… e por aí vai, música essa que foi gravada por Almir Rouche e a banda pinguim, além dessa, há muitas outras em seu vasto repertório.
Oswaldo e o Pátio se misturam, diariamente ele perambula jogando boa e inteligente prosa nas mesas dos conhecidos que adejam os bares do lugar mais poético do Recife e também fazendo seus amigos e clientes fazerem uma fezinha no jogo do bicho
Ele é mais um dos anônimos que faço questão de registrar e dedicar todo meu apreço por seu jeito simples, cativante e honesto de ser, ele é mais uma dessas paisagens humanas feitas de suor e vida que se desloca quase que invisivelmente no centro urbano do Recife.
Saravá, Oswaldo, que Deus e todos os santos e Orixás te abençoem.

Anúncios

Um comentário em “Personalidades do Pátio de São Pedro

  1. Excelente. Trabalho que estava faltando para mostrar as particularidades, pensamentos e intelectualidades de alguns dos inúmeros frequentadores do Recife Antigo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s