Versos

Zé Limeira poeta do absurdo capa

“O velho Thomé de Souza

Governador da Bahia

Casou-se e no mesmo dia

Passou a pica na esposa…

Ele fez que nem raposa

Comeu na frente e atrás,

Chegou na beira do cais,

Onde o navio trafega,

Comeu o Padre Nobrega

Os tempos não voltam mais.”

Zé Limeira ( O poeta do Absurdo)

 

A-provincia

(O poema abaixo foi retirado do jornal A Província nº 1193 do ano de 1877)

A mulher e o Papagaio

A mulher e o papagaio

tem muita conformidade

ambos falam, ambos gritam

sem nenhuma utilidade

na gaiola o papagaio só quando come não fala

dentro de casa a mulher só comendo é que se cala

assim como o papagaio

que gritando troa os ares

a mulher desfaz em gritos

o sossego , a paz dos lares

se a mulher muda nascesse

e do mundo assim saisse

pelo mundo passaria

sem que a ninguém afligisse.

(poema retirado do jornal A Província nº 1193 do ano de 1877)

A próposito, fiz uma grande pesquisa em vários jornais do extraordinário e revolucionário século XIX no arquivo público Jordão Emerenciano situado na rua do Imperador e estou construindo um pequeno romance que começarei a publicar neste Blog em capítulos…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s